16 de fevereiro de 2017

Memórias de Sherlock Holmes, de Sir Arthur Conan Doyle

Título: Memórias de Sherlock Holmes
Autor: Sir Arthur Conan Doyle
Editora: Harper Collins
N° de páginas: 226
Classificação:★ +


✏ Sinopse: "Memórias de Sherlock Holmes" reúne onze histórias do mais famoso detetive da literatura, publicadas originalmente na revista Strand, entre dezembro de 1892 e dezembro de 1893. Entre estes contos, narrados pelo Dr. Watson - velho amigo e o mais fiel observador do gênio dedutivo de Holmes -, estão algumas daquelas que são consideradas por fãs e especialistas as melhores histórias de detetive.


"Qualquer verdade é preferível a uma dúvida indefinida."


O livro traz 11 memórias de casos e acontecimentos vividos e presenciados pelos queridos Sherlock Holmes e John Watson. Como nos livros anteriores que li de Arthur Conan Doyle, as histórias são bem escritas e bem elaboradas; eu como sempre fiquei boiando em algumas partes (para fazer companhia ao John, né, gente? 😂 Se bem que ele é mais esperto do que eu) e isso é bom porque a resolução dos casos acaba sendo uma grata surpresa.

Uma das minhas memórias preferidas foi a intitulada "O Corretor". Nela, Watson já havia se casado e aberto uma clínica. Fazia tempo não encontrava com Holmes, então o caso apresentado foi a volta da dupla para a investigação. Este fala sobre um homem muito bem comentado sobre seu trabalho, que foi contratado por uma firma. De modo estranho, um outro homem o oferece muito mais dinheiro para que ele possa sair do primeiro trabalho e iniciar os trabalhos em sua empresa. E, por algum motivo, ele procura Holmes. Caso muito bem elaborado, como sempre.

Também podemos destacar no meio dos casos, aquele que fez Sherlock adotar a investigação como trabalho e não mais como hobby; outro muito importante para sua carreira, "O Ritual Musgrave", que investigou um tempo depois de se mudar para Londres, antes de conhecer John Watson.

Outra memória que preciso destacar é "O Intérprete Grego", na qual conhecemos o irmão de Sherlock, Mycroft, que possui ainda maior poder de percepção e dedução do que Holmes, mas não os usa como ele. É ótimo vê-los descrevendo e falando sobre várias pessoas só de olharem para elas. Se eu já gostava disso com somente Holmes fazendo, agora recebi em dose dupla.

E, certamente, "O Problema Final", que é a última das memórias, foi a melhor de todas. Nela é citado James Moriarty, inimigo de Sherlock Holmes, e um acontecimento que feriu Watson profundamente, ocorrido nas quedas de Reichenbach. 

"Ele é o Napoleão do crime, Watson. (...) É um gênio, um filósofo, um pensador abstrato. Sua inteligência é excepcional. Fica imóvel como uma aranha no centro da teia, mas a teia tem milhares de ramificações, das quais ele conhece cada tremor. Ele mesmo pouco faz. Apenas planeja."

Sherlock é sempre uma leitura prazerosa e que prende minha atenção completamente. É ótimo ver alguém do nível de SH enfrentá-lo, só acho que a memória que fala sobre seu inimigo podia ter mais páginas 😢 Bom, para quem ainda não leu Sherlock, recomendo MUITO 💙

ACOMPANHE O BLOG
FACEBOOK  INSTAGRAM  TWITTER 
Contato: minhasecretapoesia@gmail.com
Obrigada por tudo, pessoal!
Beijos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário